FESTA DA DEDICAÇÃO

POR DANIEL SANTOS


"Chanucá é uma palavra hebraica que significa "dedicação" ou "inauguração". A primeira noite de Chanucá começa após o por-do-sol do 24º dia do mês judaico de Kislev e a festa é comemorada por oito dias. Uma vez que na tradição judaica o dia do calendário começa no por-do-sol, o Chanucá começa no 25º dia.

História
Por volta do ano de 200 a.C. os judeus viviam como um povo autônomo na terra de Israel, o qual a essa época era controlada pelo rei selêucida da Síria.

O povo judeu pagava impostos à Síria e aceitava sua autoridade legal, e eram absolutamente livres para seguir sua própria fé, manter seus empregos e se dedicar ao comércio.

Em 180 a.C. Antíoco IV Epifanes ascendeu ao trono selêucida. Braço remanescente do império grego, encontrou barreiras para sua dominação completa sobre o povo judeu, e o modo mais prático para resolver isso era dominar de vez a região de Israel (mais precisamente a Judéia, ao sul) impondo de maneira firme a cultura da Grécia sobre os judeus, eliminado, assim, aquilo que os unificava em qualquer lugar que estivessem: a Torá.

O rei Antíoco ordenou que todos aqueles que estavam sob seu domínio (em específico Israel) abandonassem sua religião e seus costumes. No caso dos pagãos isso não era problema, mas no caso dos judeus isso não funcionou, ao menos em parte.

Muitos judeus, principalmente os mais ricos, aderiram ao helenismo (cultura grega) e ficaram odiados e conhecidos pelos judeus mais pobres como "helenizantes", uma vez que ficavam tentando fazer a cabeça do resto dos judeus para também seguirem a cultura grega. Antíoco queria transformar Jerusalém em uma "pólis" (cidade) grega, e conseguiu.

Em 167 a.C., após acabar com uma revolta dos judeus de Jerusalém, Antíoco ordenou a construção de um altar para Zeus erguido no Templo, fazendo sacrifícios de animais imundos (não kasher) sobre o altar, e proibiu a Torá de ser lida e praticada, sendo morto todo aquele que descumprisse tal ordem.

Na cidade de Modim (sul de Jerusalém) acontece oficialmente a ofensiva contra contra os greco-sírios liderada por Matatias (Matitiahu) (um sacerdote judeu da família dos Hasmoneus) e seus cinco filhos João, Simão, Eliézer, Jonatas e Judas (Yehudá). Após sua morte, Yehudá toma à frente da batalha com um pequenino exército formando em sua grande maioria de camponeses, onde venceram o forte exército de Antíoco no ano 164 a.C e libertaram Jerusalém purificando o Templo Sagrado. Judas acabou conhecido como Judas Macabeu (Judas, o Martelo).

O festival de Chanucá foi instituído por Judas Macabeu e seus irmãos para celebrar esse evento. (Mac. 1 vers. 59). Após terem recuperado Jerusalém e o Templo, Judá ordenou que o Templo fosse limpo, um novo altar construído no lugar daquele poluído, e novos objetos sagrados fossem feitos.

Quando o fogo foi devidamente renovado sobre o altar e as lâmpadas dos candelabros foram acesas, a dedicação do altar foi celebrada por oito dias entre sacrifícios e músicas (Mac. 1 vers. 36).
Até aqui, viu-se a vitória do pequenino exército judeu, esse foi o primeiro milagre. O segundo milagre é mais sobrenatural e deu origem à festa de Chanuká.

Após a purificação da Cidade Santa e da Casa de Deus, foi constatado que só havia um jarrinho de azeite puro no Templo com o selo intacto do Cohen Gadol (Sumo Sacerdote) para que as luzes da Menorá fossem acesas, e isso duraria apenas um dia, mas milagrosamente durou oito dias, tempo suficiente para que um novo azeite puro fosse produzido e levado ao templo para o seu devido fim, conforme manda a Torá (Ex 27:20-21).

A Judéia ficou independente até a chegada do domínio romano em 63 a.C. A festa é realizada no dia 25 de Kislev (cai normalmente em dezembro), data onde o Templo foi reedificado. É uma festa marcada pelo clima familiar e pela grande alegria. Encontramos os fragmentos históricos de Chanuká nos livros "apócrifos" (secretos) de I e II Macabeus e também em escritos talmúdicos.

Os acontecimentos de Chanuká serviram para preparar o caminho do Messias. O mandamento principal de Chanuká hoje é o acendimento da Chanukia (Menorá - candelabro - de 9 braços). Oito braços são para lembrar o milagre dos oito dias em que a Menorá ficou acesa com azeite que era para ter durado apenas um dia! O outro braço, que é chamado de "shamash" - servente - é um braço auxiliar para o acendimento das outras velas.

Segundo a tradição, somente ele (o shamash) pode ser usado para, se for o caso, iluminar a casa ou para outro fim, sendo que as outras velas só podem servir para o cumprimento do mandamento.

A cada noite um nova vela é acrescentada até que se completem as nove. Outras tradições como brincar com o "sevivon" (pião) onde em cada lado dele estão escritas as iniciais da frase "nes gadol hayá sham" (um grande milagre aconteceu lá - em Israel) são válidas, e para quem está em Israel a última palavra da frase é "pó" (aqui).

Também há o costume de servir alimentos como sonho com geléia (sufganyot) e panquecas de batata (latkes).

Um grande número de historiadores acreditam que a razão pelos oito dias de comemoração foi que o primeiro Chanucá foi de fato uma tardia comemoração do festival de Sucot, a Festa das Cabanas (Mac. x. 6 e i. 9). Durante a guerra os judeus não puderam celebrar Sucot propriamente. Sucot também dura oito dias, e foi uma festa na qual as lâmpadas tiveram um papel fundamental durante o período do Segundo Templo (Suc.v. 2-4). Luzes também eram acesas nos lares e o nome popular do festival era, portanto, segundo Flávio Josefo (1Antiguidades judaicas XXII/323) o "Festival das Luzes" ("E daquela época até aqui nós celebramos esse festival, e o chamamos de Luzes"). Foi notado que os festivais judaicos estavam ligados à colheita das sete frutas bíblicas na qual Israel ficou famoso. Pessach é a comemoração da colheita da cevada, Shavuot do trigo, Sucot dos figos, tamareiras, romãs e uvas, e Chanucá das olivas. A colheita das olivas é em Novembro e o óleo de oliva ficaria pronto para o Chanucá em Dezembro.


Referências bibliográficas:
Eita / Agência Judaica / www.agenciajudaica.com.br
A pessoa de Cristo (1) A.W. Tozer (3) aborto (1) Abraão (2) adventismo (2) adversário (1) Ágape (1) Agostinho (2) águas (1) Albânia (1) Além da Letra (2) alforria (1) aliança (1) Amor (1) Anjos (1) Antigo testamento (1) Antonio Gilberto (2) apocalipse (3) apologética (2) apostasia (1) arminianismo (5) Arrebatamento (2) arrependimento (1) Àsia (1) Ásia Central (1) Assembléia de Deus (2) Auschwitz (1) autoridade (1) Auxílio ao Obreiro (1) avião (1) batatas (1) Batismo com Espirito Santo (2) batismo com Espírito Santo (1) batismo infantil (1) batismo no Espirito Santo (1) BBC (1) bebida alcoólica (2) Ben Gurion (1) Bençãos (1) besta (1) bíblia sagrada (2) Bíblia x Ciência (1) Biblicamente (2) bibliologia (1) Billy Graham (1) Blog Belverede (1) bois (1) brecha (1) Brenda B. Colijn (1) Bruno Rocha (1) calvário (1) CALVINISMO (25) calvinistas (1) Calvino (4) cananeus (1) carpinteiro (1) carta (1) carta de Judas (1) casamento (1) Castellion (1) certo (1) cerveja (1) cessacionismo (4) Ciro Zibordi (12) clamor (1) Claudionor de Andrade (2) colheita (1) comportamento (5) confraria pentecostal (1) Conhecimento (1) continuismo (1) conversão (1) convite (2) Corpo de Cristo (1) CPAD (1) cristãos (1) cristianismo (3) cruz (1) Daladier Lima (3) Dan Corner (1) Daniel Santos (31) Dave Hunt (2) Davi (1) David Botelho (5) David Cloud (1) Deus Conosco (1) devocional (6) diaconisas (1) diálogo (1) dizimo (1) dízimo (2) domingo (1) Dons Espirituais (13) Douglas Batista (1) Doutrina Pentecostal (1) Doxologia (1) eleição (3) Elias (1) Elisabeth I (1) Eliseu Antonio Gomes (1) Eliseu Gomes (2) enganador (1) ensino (1) equívocos religiosos (2) errado (1) erudição (1) escórias (1) escravatura (4) Esmirna (2) eternidade (1) ética cristã (1) EUA (1) evangelho (5) evangelicalismo (1) evangelismo (1) exegese (1) Experiência (1) expressões idiomáticas (1) família (4) família Cristã (3) fariseus (1) (2) felicidade (1) Festa da dedicação (1) ficção (1) filmes (1) filosofia (4) fim (1) Flip Benham (1) fonte (2) fortalecimento (1) fundidor (1) Gálatas (1) graça (4) grupo de estudos (1) Gunnar Vingren (1) Habacuc (1) herege (1) heresia (4) heresias (2) Hernandes Lopes (1) história (3) história eclesiástica (3) igreja (4) igreja brasileira (3) Igreja Fiel (4) igreja primitiva (1) Imael Brito (1) imperialismo (1) Inglaterra (1) interpretação (3) investigação (4) Isaías (2) Islamismo (1) Israel (4) Jerusalém (1) João Cruzué (1) Josenilson Félix (8) Jourdon Anderson (1) jugo desigual (1) juízo (1) Julgamento (2) Keith Coward (1) Kelem Gaspar (1) leitura (1) leões (1) liberalismo teológico (1) linguagem cristã (1) Línguas estranhas (4) livramento (1) livre-arbítrio (11) livro da vida (1) Luciano Subirá (2) Lutero (4) maçã (1) madrugada (2) Marcelo Lyrio (3) Marco Elias (37) marxismo (1) matrimônio (1) Max Lucado (1) Melquisedeque (2) Menno Simons (1) milagre (2) ministério (2) ministério feminino (2) missionários (1) missões (10) missões transculturais (1) mitos (1) Moisés (1) morte de Cristo (2) mulher (1) mulheres (2) Mundanismo (2) muro (1) Natal (2) nazismo (1) Nietzsche (1) noiva (1) Norman Geisler (2) Noruega (1) novo testamento (2) Obreiro Aprovado (1) Oração (5) Oriente Médio (1) ovelha (1) Palavra (3) palavra revelada (5) palha (1) pão (1) parlamento (1) pastor (1) pastores (1) Paulo Junior (1) paz (1) Pecado (2) pedobatismo (1) peixe (1) pentecostais (2) Pentecostalismo (3) perdão (1) perseguição (1) perseguições (1) personagens (1) piedade (1) pobre (1) prata (1) Predestinação (7) pregação expositiva (3) pregadores (1) Pródigo (1) Profecia (6) profecias (1) Promessas (1) questionamentos (5) razão (1) razão humana (2) recenseamento (1) Reforma Protestante (5) refugiados (1) Relacionamento (1) religião (1) religiosidade (1) remédio (1) renovados (1) repreensão (1) retórica (1) revelação (8) rico (1) sábado (2) sabedoria (1) sacerdote (1) sacrifício de Jesus (2) salmos (2) Salvação (13) Samoa (1) Sandro L. Oliveira (1) sangue de Jesus (2) santidade (1) Santificação (1) satélite (1) século XX (1) Século XXI (1) serpente (1) Silas Daniel (1) simplicidade (1) sinais (1) sinais do fim (1) Sinédrio (1) soberania de Deus (2) Sofia Müller (1) sola scriptura (1) soldado (1) soteriologia (6) Spurgeon (3) Susanna Wesley (1) Templo (1) Teologia (11) Teologia Pentecostal (1) terrorismo (1) terroristas (2) testemunho (1) Tiago Rosas (4) titanic (1) Tony Sousa (2) trigo (1) Vale (1) verdade (1) Versículos Bíblicos (1) vida (1) vida cristã (12) vídeo (2) vídeos (1) vinha (2) vinho (1) visão (1) whatsapp (1)